Decreto que facilita acesso a armas de fogo é aprovado pela Câmara – Paulo Figueiredo


Foto - Imagem: Stockphotos

A Câmara dos Deputados aprovou um decreto legislativo que suspende partes do que foi assinado pelo presidente Lula em julho.

A Câmara dos Deputados aprovou um decreto legislativo que suspende partes do que foi assinado pelo presidente Lula em julho de 2023. Essas restrições, impostas pelo presidente, dificultavam o uso de armas de fogo autorizadas pela legislação.

O principal argumento para anular essas restrições foi o impacto negativo na prática do colecionador e do tiro esportivo. Agora, o projeto segue para análise no Senado.

O projeto em questão modificou o decreto presidencial, eliminando a exigência de que clubes de tiro precisassem estar localizados a pelo menos um quilômetro de distância de escolas. Além disso, também excluiu a necessidade de certificados para armas de pressão e acabou com a obrigação dos atiradores desportivos de participarem de competições anuais com todas as armas que possuem. O projeto também permite o uso de arma de fogo para atividades diferentes daquelas declaradas no momento da compra.

O autor do projeto, deputado Ismael Alexandrino (PSD-GO), elogiou o acordo com o Executivo que possibilitou a aprovação. Segundo ele, essa medida respeita a política atual do governo de restringir o acesso às armas de fogo.

“Nós visamos apenas modular esse decreto e não afrontar a macropolítica restritiva, permitindo que o esporte deslanche e seja praticado com segurança jurídica no país“, argumentou o parlamentar.

As únicas legendas que se manifestaram contra a medida foram o PSOL e o PV. O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) reclamou que o projeto foi aprovado sem uma discussão suficiente.

“Teríamos que fazer uma discussão. Eu não esperava que, após a votação da urgência, fôssemos imediatamente ao mérito, nessa quase madrugada“, disse.

A relatora do projeto, deputada Laura Carneiro (PSD-RJ), justificou a exclusão do trecho que obrigava os clubes de tiro a estarem localizados a um quilômetro das escolas, considerando essa medida inviável.

“Um quilômetro de qualquer estabelecimento. Isso fecharia todos os clubes de tiro do estado de São Paulo, por exemplo. A competência para regulamentar a localização dos estabelecimentos é municipal“, acrescentou.

Laura também argumentou que as armas de pressão não são consideradas armas de fogo e, portanto, não devem estar sujeitas às mesmas regras. Segundo ela, a prática do tiro desportivo com armas de pressão deve ser incentivada e facilitada, já que elas não possuem potencial lesivo e não estão sujeitas a restrições legais.

Quanto à necessidade do atirador desportivo competir anualmente com todas as armas que possui, Carneiro também considerou essa medida inviável.

Source link



Source link

Hot this week

Marcos faz desabafo após ídolo do Palmeiras fechar com o Cruzeiro; VEJA

Em uma reviravolta impressionante no mundo do futebol,...

Filho de Ronaldo Fenômeno revela valor de alto cachê que cobra como DJ; Veja valor

Ronald Nazário de Lima, filho do lendário jogador...

Juíza federal nega indenização a filhos de Lula

A magistrada federal Rosana Ferri decidiu contra o...

Topics

spot_img

Related Articles

Popular Categories

spot_imgspot_img