Congresso banca mestrado e doutorado de senadores em faculdade de Gilmar Mendes – Paulo Figueiredo


Foto - WILTON JUNIOR/ESTADÃO / Estadão

Senado desembolsa R$ 317 mil para cursos avançados de senadores no IDP, instituição ligada ao ministro Gilmar Mendes.

Senado financia R$ 317 mil em cursos de mestrado e doutorado para os senadores Irajá Silvestre Filho (PSD-TO) e Eliziane Gama (PSD-MA) no Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP), faculdade que tem como sócio o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, nesta quinta-feira, 6.

Em 2022, Irajá iniciou um mestrado em administração pública, com dois anos de duração, no valor R$ 73,7 mil ao Senado — ou seja, dos cofres públicos. Em 2024, ele começou um doutorado no IDP, cujo custo é de R$ 135,9 mil, com conclusão prevista para três anos.

No mesmo ano, Eliziane começou um mestrado em Direito Constitucional, de dois anos, ao custo de R$ 107 mil.

Segundo o Portal da Transparência do Senado, Irajá e Eliziane são os únicos senadores com pós-graduação financiada pela Casa. Outros quatro servidores frequentam cursos no IDP pagos pelo Senado.

Os pagamentos foram autorizados pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e pela diretora-geral, Ilana Trombka, com base em um ato da comissão diretora de julho de 2021. O ato, apresentado por Irajá quando era o 2º vice-presidente, permite que o Senado cubra despesas de pós-graduação stricto sensu para parlamentares.

Leia também

A norma estipula que o presidente do Senado pode autorizar a participação dos parlamentares em programas de pós-graduação. Nessas ocasiões, a Casa cobre taxas, mensalidades, semestralidades ou anualidades.

O prazo de conclusão dos estudos não pode ultrapassar o fim do mandato do senador. Depois de concluir o curso, o parlamentar deve entregar uma cópia da dissertação ou tese para o acervo da Biblioteca do Senado, disponível para consulta pública.

Irajá apresentou sua dissertação de mestrado, com 50 páginas, em que abordou as emendas parlamentares. Ele concluiu que a obrigatoriedade da execução dessas emendas aumentou o poder dos congressistas, mas o Planalto ainda mantém poder de barganha na execução delas.

Senadores disseram que cumprem a lei

Indagados pela Folha, Irajá e Eliziane explicaram, via assessorias, a escolha dos cursos e o financiamento pelo Senado. A equipe do senador afirmou que o doutorado “cumpre todas as previsões legais do Senado Federal e é realizado em área de interesse da sociedade: gestão pública”.

Já a assessoria de Eliziane afirmou que sua participação no curso “está em total conformidade com o Ato da Comissão Diretora número 12/2021”. A equipe da senadora também disse que que “a pós-graduação stricto sensu em Direito Constitucional reforça a atuação legislativa da parlamentar nas diversas áreas e frentes ligadas ao seu mandato”.

O Senado, por meio de sua assessoria, citou as regras referentes ao tema, mas não explicou o motivo da permissão de pagamento dos estudos dos parlamentares. O senador Marcos Rogério (PL-RO) também cursou mestrado no IDP e começou um doutorado, mas afirmou que arcou com os custos do próprio bolso, sem registro de pagamento pelo Senado.

Source link



Source link

Hot this week

Filho de Ronaldo Fenômeno revela valor de alto cachê que cobra como DJ; Veja valor

Ronald Nazário de Lima, filho do lendário jogador...

Juíza federal nega indenização a filhos de Lula

A magistrada federal Rosana Ferri decidiu contra o...

BOMBA: desaprovação de Lula passa dos 70% no Centro-Oeste; VEJA NÚMEROS

De acordo com informações da CNN Brasil, uma...

Topics

spot_img

Related Articles

Popular Categories

spot_imgspot_img